Uma Surpresa Prazerosa

Categoria: 

Estava eu vindo do Bairro da graça com destino a Patamares, ambos bairros aqui de Salvador. Resolvi da uma olhada no movimento do porto e farol da barra, apesar do pouco movimento pois era terça feira fiquei admirando o que achei ser um casal(depois me disseram ser apenas amigos). Ela, morena clara, 1,62 m uns 64 kg, ele moreno mais escuro, aproximadamente 1,72 m magrinho e jeitinho de afeminado.

Parei fiquei olhando e logo iniciei uma conversa com eles na barraca de coco. Ela era de campinas e estava de ferias ele era de salvador e estava apenas acompanhando ela. Conversa vai conversa vem perguntei se não queriam almoçar em algum lugar, Ele disse logo:

- Almoço Executivo? E começou a rir.

Fomos para o Playmotel, quem conhece salvador sabe, lá a putaria rolou solta.

Ao chegarmos no quarto fui logo jogando ela na cama, puxando seu top e beijando os biquinhos durinhos. Cris, esse é seu nome, de repente se mostrou uma putinha, e veio por cima de mim, afastando seu biquini e sentando em minha cara... Foi quando eu senti alguem liberando minha pica que estava bem dura, senti uma boca chupando de cima a baixo... enquanto a Cris rebolava na minha boca ele sugava minha pica, nem me preocupei pois não tenho preconceitos e sou liberal.. Ao contrario, segurei firme a cabeça dele contra meu pau, com as duas mãos, prendendo ele a minha pica, que estava inteira na sua boca. Cris, então, saiu de cima de mim,e foi pro lado do Alex, e ficaram os dois dividindo minha pica. Cris, as vezes deixava Alex beijar o cantinho de sua boca, pois, me dizia, não queria perder o meu gosto, que sacaninha!!

Ela olhava para ele com tesao e malícia, e, sorridente, dizia coisas bem sacanas:

- Olha só, Alex, que pica gostosa... ele vai me comer todinha esta tarde... você o ajuda a me comer?

- Claro que sim, Cris...você merece esta pica bem gostosa....

Eu já não aguentava mais, iria gozar, e, antes que o fizesse, Cris ficou de ladinho na cama, e me puxou, por trás, contra si.

Continuo depois.

http://www.casadoscontos.com.br/texto/201706922