Tiube a prima gostosinha

Abas primárias

Categoria: 

Bom deixe-me apresentar-me, sou alto 180 cm, corpo atlético, pele parda/branca (me dizem branco), olhos castanhos, cabelo curto degrade quase militar para ser mais especifico, cuido muito da saúde. Sou acadêmico de medicina também, ando pela metade do curso e estou de ferias no brasil.

Algo curioso é que pessoas que moram longes por um tempo, eu por exemplo durante um ano visito minha cidade, vejo como diferente estão as pessoas... foda-se o mundo vamos ao que interessa. Recentemente fui visitar minha madrinha, chegando lá encontrei meus primos, um casal, ele da minha idade ela três anos mais nova que eu, no caso 18tinho seus pervertidos... e falando como meu primo eu admiro ele, uma pessoa inteligente e aplicada, amo aquele lugar na verdade sempre muito bem vindo ali e recebido pelos meus padrinhos procuro frequentar sempre que posso. Falando com meu primo minha prima sai do quarto dela direto para a sala de pijama, me olha e meio que assustada diz:

- Oi.., Ethan, tudo bem?! - com um sorriso amistoso.

Repondo o normal e ela segue seu curso, algo falava com a empregada, ao mesmo tempo passa a namorada do meu primo (senhor que cu gostoso, rabão.. ) até me senti mal por me sentir desejado por aquele cu, deve ficar uma delicia de roupa intima com uma calcinha de algodão negra meio que fio dental... enfim, fodasse... abrindo o jogo com vocês, quando ela passa e eu tinha esses pensamentos, ficava afoito, como se todos estivessem me olhando e imaginado que eu estava com uma vontade de coçar a cabeça da minha pica que estava latejando hahahahaha nesse tempo ela aproveita para ir ao quarto, do meu primo, buscar suas coisas para ir ao banheiro tudo isso enquanto eu e ele decidimos jogar algo no xbox (imagine dois caras jogando nesse tempo da narrativa).

Sai ela da banho enrolada em uma toalha, e eu lutando contra os músculos do meu pescoço e com aquele sentimento de que ele esta me olhando e desconfiando kkkk.

Em ralação ao espaço ele estava sentado em um sofar em frente ao sofar que eu estava.

Nisso essa moça... (caralho..) sai do quarto com uma super mini saia jeans preta, as coxas dela nem cabiam só para você ter uma ideia e adivinha.. sentou bem na minha frente, meu primo deu uma olhada para ela, se ela não pensou que ela não tinha uma roupa mais adequada para vestir eu fico meio triste por ele... eu olhando para a TV porem pela minha visão periférica podia ver que estava aparecendo a calcinha dela, me sentia muito mal, não consigo nem descrever, e inconfortável com a situação, até meu primo se sentia assim creio, as vezes era obrigado a olhar para ele e em uma dessas olhada meus olhos foram direto na bucetinha dela que estava marcada por uma calcinha bem rosadinha... fui a loucura, meu coração acelerou, meus olhos estavam atordoados e meu pau estava com uma coceira e fiquei quase 10 minutos assim, entre essas olhadas não muito constantes ele olhava para a buceta dela também e eu me sentia inconfortável, pois sabia que ele olhava para verificar se era possível ver.

Não aguentei tive que pedir para ir a cozinha tomar uma água... nisso, chegando la vejo minha prima com um super rabo com um pijama por cima, quando ela vira posso ver seus peitos durinhos sem sutiã e sua bucetinha marcada, ela outra vez me cumprimenta, e pergunta:

- Primo como vai o curso - Diz ela com interesses pois também almeja medicina. Digo:

- Olha, tudo vai bem, já sabe, quando a pessoa gosta é mais fácil. Ela segue:

- você mora a um tempo fora, já se acostumou - com um leve sorriso. Falo:

- Já sim Clara, eu sou quase um camaleão rsrs, acho que me adapto em qualquer lugar.

- Você parece bem diferente primo, anda cuidando da saúde.

- Bom é importante, vejo que você cresceu, acho que notou a diferença igual eu né, com o tempo a gente vê melhor né.

- sim percebi... - Nisso minha prima se retira e eu ainda com a pau latejando pensando naquela bucetinha debaixo da calcinha rosa, já estava com falta de ar de tanto tesão, dirijo minha mão até meu pau para dar aquela coçadinha, sinto uma energia entrando como uma rede elétrica de estímulos daqueles dedos coçando a cabeça do meu pau, só havia um problema.. aquela não era minha mão, era a de Clara, um de seus braços em volta do meu corpo e me abracando bem colado por trás, me diz em um tom bem baixo com os lábios colados em meu ouvido direito:

- Eu vi que você olhou para os meus seios seu tarado...

Era uma pena realmente para Clara, ela não sabia no que esta se metendo, eu estava no meu momento mais vulnerável, rapidamente peguei sua mão e pressionei contra meu cacete que já estava duro, ela o acariciava, parecia que estava sobre a influencia de uma droga altamente viciante e prazerosa, virei-me e meti dois dedos naquela buceta, porém Clara fez uma cara de assustada, entendo a menina ela não esperava algo assim mas ela que me desculpe queria meter meu pau naquela buceta ali mesmo ou teria que matar um nego para fazer esse prazer passar, naquele momento ela tenta evadir mas como os dois estavam comprometidos a empurrei contra a parede e para minha surpresa e alivio meus dedos entraram escorregando naquela bucetinha lisinha ao mesmo tempo ela fazia uma cara de que estava gostando e recolheu seu pescoço quando o beijei, mexi muito meus dedos naquele caldo delicioso queria chupar ate a ultima gota daquele mel sagrado que escorria da buctinha dela, minha boca estava seca de tanto desejo. Então ela mete a mão dentro da minha cueca e segura no meu pau colocando ele para fora, estávamos em um lugar escuro e pequeno por sinal, era um apartamento então os lugares eram estreitos, sabíamos que tínhamos pouco tempo então ela deu 4 mamadas bem seguras duas na cabeça e duas no pau todo, ficou bem molhado rapidamente levantei ela e puxei com força o pijama dela para o lado e sem pensar como um reflexo dei duas estancadas iniciais na bucetinha dela.

Senhores... entrou deslizando, sentia aquela vagina bem suave, meu pau nunca sentiu um tecido tão confortável e apertado, era como se todo meu corpo anestesiasse naquele momento, uma pausa de 1 segundo porém pareceu um minuto... depois uma bombadas suaves e para finalizar, pois sua olhada era de que iria sair rapidamente dali, segurei em sua cintura e meti o mais profundo possível naquela buceta, como já estava em êxtase liberei toda meu prazer e gozei, sabia que tinha que gozar se não, não estaria bem, ela simplesmente puxou o pijama e foi, fique lá congelado depois daquela explosão de prazer voltei à realidade e com o pau todo melado e gozado fiquei inconfortável, porem também rapidamente passou essa sensação angustiante e ficou um gosto de quero mais...

fiquei mais um minutos ali, falavam com meu primo e sua namorada mas minha mente estava em um lugar muito longe, inclusive trocava algumas palavras, parecia que estava no modo automático, não conseguia sair dali sem ter que ver ela, para saber se tudo estava bem. Depois apareceu ela e me olhou com um sorriso por cima do ombros dos presentes na sala me senti mais aliviado e sabia que aquele momento podia ir...

https://www.casadoscontos.com.br/texto/201801850