Do pau de arara para o Mundo

Categoria: 

Há um tempo atrás decidi sair do interior e ir morar na capital, consegui terminar meus estudos em cima de um pau de arara, sempre determinado a encontrar melhores horizontes pra mim e minha família, cidadezinha do interior ou vc se torna agricultor ou sobrevive com a cara e a coragem vendendo algo de porta em porta.

Quando através dos livros descobrir o poder da tecnologia e a internet em se,e ter já terminado os estudos resolvi com 21 anos e morar na capital,duas metas eu sempre escolhi ter,um bom trabalho pra mim sustentar e poder desfrutar do corpo de belas mulheres nuas, não sou muito chegado a álcool, mais uma buceta depiladinha e um baita de cu, sempre me fazem revirar a cabeça rsrsrs,na minha vida do interior, junto a minha tia e minhas primas,vivi bons momentos que logo em breve gostarei de contar, vamos ao conto.

Meus pais conformados com a viagem do único filho homem a capital,relataram um pouco, mais os convenci que poderia eu os ajudar de lá, mandando algum dinheiro, através da notícia de um classificado consegui resolver trabalho e moradia,com um dia de viagem,chego na capital e passo a morar numa pensão,só pra homens,só que como eu fui designado pela dona Elza,a dona do lugar, passei a morar numa edícula nos fundos dessa pensão,ela me convenceu que eu ia ter oportunidades boas descrição rsrs.Dona Elza era uma coroa de cor branca,usava óculos fundo de garrafa,e seus peitos não era seu forte, mais as pernas torneadas e a bunda colossal fizeram minha estaca quase sair da calça de linho que eu estava usando rsrs.

Acredito que ela,viúva de major do exército, sabia muito bem compreender um ataque inimigo chegando,claro que teve aquele monte de recomendação por parte dela e do lugar que eu ia ocupar, não fazer barulho execivo era a mais regida recomendação,no lugar tinha 2 cômodo, uma sala improvisada e quarto,e no outro uma pequena cozinha com área de serviço pra estender roupa,o banheiro ficava no corredor,entre a casa dela e meu cômodo,ela me disse que ali,só eu e ela que utilizariamos aquele espaço,eu que só tenho cara de bobo,pego no meu pau e dou uma coçada disfarçada,taco.

-Dona Elza a senhora quer dizer,usar juntos esse cubículo.

O banheiro era minúsculo,entre o vaso e o chuveiro duas pessoas ali só se espremendo pra caber rsrs.

-Ela,com a boca aberta e pegando no óculos,faz uma cara de espanto,claro imaginando meu pau atolado no seu cu, olha para o banheiro...

E antes que esbraveje comigo rsrs

-Tudo bem ( eu segurando no meu pau,bem no tronco) e sorrindo a gente dá um jeitinho de se encaixar,ops rsrs quero dizer marcar o horário certinho né pra usar o recinto.

Ela...

-Sim sim aí aiii meu filho, desculpe meu nervosismo,já faz um tempão que não uso assim.

Fiquei sem entender,só laaa na frente entendi o que ela quis dizer.

A Porta do banheiro tinha a idade de são paulo rsrs de madeira,cheia de lascas arrebentadas e quando dava ventanias fortes,a porta saia das dobradiças rsrs,no meu comodo tinha uma cama de casal,um sofá,um fogão e geladeira, depois tive que com meu dinheiro providenciar uma comoda e um microondas,ali na pensão de dona Elza morei por 8 anos,pode se dizer bem vividos,comi ela,a diarista, algumas biscates, minha ex noiva e até uns relacionamentos homossexuais tive,coisa de metesao mesmo,só pra comer cú,logo em breve contarei a continuação desse conto,o início de Dona Elza currada e a diarista crente, que tinha um filho gay e o marido que estava preso,por contrabando...

Meu nome é Bartolomeu,tenho hj 37 anos,cor branca, olhos castanhos,1,70 de altura,dono de uma pica robusta e cabeçuda e sou micro empresário do ramo de cosméticos.

Continua...

https://www.casadoscontos.com.br/texto/201801848